Os Fundadores

+

Joseph e Louis Clérico

De origem italiana, os dois irmãos, que na época eram empreiteiros no edifício, decidem mudar de vida. Em 1946 compram a Leon Volterra o Lido, situado no número 78 da avenida dos Champs Élysées.

Essa aventura os apaixona … A fim de dar ao Lido os meios para tornar-se ainda mais mágico, eles recorrem ao empresário Pierre-Louis Guérin. Esse homem do espetáculo, bem conhecido por sua imaginação transbordante, recebe carta branca para transformar o Lido.

Desde então, o Lido se transforma em um guarda joias luxuoso que atrai Paris Inteiro com um novo conceito : o jantar-espetáculo, que faz um grande sucesso e que logo será imitado em todo o mundo.

A primeira representação teve lugar no dia 20 de junho de 1946 e foi intitulada simplesmente « sans rimes ni raisons ».

+

René Fraday

Após passar quatro anos montando espetáculos nos Estados Unidos, esse antigo ‘boy’ de Mistinguett responde ao chamado de Pierre-Louis Guérin e se torna, em 1947, o diretor artísico do Lido.

Ansiando o extraordinário, ele percorre o mundo em busca de atrações excepcionais e faz todos os esforços a fim de poder realizá-los em Paris.

Dessa forma, ele oferece ao Lido espetáculos incríveis onde se misturam pistas de gelo, piscina, jatos de água, ou outras ideias loucas tais como helicópte-ros voando na sala.

+

Pierre-Louis Guérin

Um amante de espetáculos, Pierre-Louis Guérin deixa seus estudos de medicina para dedicar-se sem reservas ao mundo do glamour e da noite.

Ele abre seu primeiro cabaré « Le Club » na rua de Charenton e recebe artistas talentosos como Bourvil e Line Renaud.

Em seguida, ele irá se juntar aos irmãos Clerico na direção do Lido para participar na criação desse lugar único e fantástico.

Miss Bluebell

+
Seu nome verdadeiro é Margaret Kelly, mas ela é chamada de Miss Bluebell em homenagem a seus olhos azuis cor de jacinto. Nascida em 24 de junho de 1910, essa bela irlandesa será a criadora da linha das Bluebell Girls.

Nos anos 30 ela vive na Alemanha e depois na França, onde inicia sua carreira como dançarina nas Folies Bergères.

Com somente 22 anos ela cria sua própria companhia, com a qual entra nos camarins do Lido em 1948. É aí que o talento dessas mulheres de pernas intermináveis e elegância lendária deslumbra o palco parisiense.

Ainda hoje, as Bluebell Girls são emblemáticas na magia das revistas do Lido.

Um lugar emblemático



As origens

O primeiro Lido remonta a 1928. Uma praia artificial foi criada no subsolo do antigo hotel particular do senhor Dufayel. Esse hotel foi demolido a fim de ser substituído por um shopping chamado de « Arcades » no número 78 da avenida dos Champs-Elysées. A cave se torna em « Lido, la plage de Paris » (Lido, a praia de Paris), nome criado por um certo senhor Chaux. As pessoas se deliciam e as crianças se divertem nessa piscina de 33m de comprimento por 9m de largura. Mas é nas saídas dos teatros, por volta da meia-noite, que o estabelecimento se anima verdadeiramente : casino, animação musical dentro de água, gôndolas como em Veneza.

Contudo em 1933, com a clientela se tornando mais escassa, o lugar é colocado em liquidação judiciária.

Em 1936, o famoso Léon Volterra vem em seu socorro e transforma completamente o espaço. Acabou a piscina e a praia, dando lugar a um templo, a colunas e ao espetáculo !

De 1946 aos nossos dias

Após a guerra, Léon Volterra cede a concessão do Lido a dois irmãos : Joseph e Louis Clérico.   

Em seguida são empreendidos trabalhos importantes, e constroem o templo da revista do grande espetáculo. A partir de 20 de julho de 1946, o cenário irradia com a beleza, que se tornou lendária, das dançarinas, o esplendor dos trajes e a elegância das atrações. O cabaré é projetado para o topo do mundo.

Reconhecidas em todo o lado, sempre recebidas com fervor, as revistas do Lido são aclamadas pela crítica. Alguns chegam mesmo a afirmar que « os estrangeiros e os franceses de passagem por Paris vão agora visitar a torre Eiffel  e o Lido, onde eles têm certeza de ver um espetáculo de prestígio e único no mundo ». O Lido se tornou definitivamente uma lenda.

Uma lenda viva que se reinventa. Em 1977,o Lido investiu nas paredes do Normandia, no número 116 da avenida dos Champs Élysées. Admiravelmente concebido e decorado pelos arquitetos Peynet, Bartoccini e Veccia, o estabelecimento se torna o maior e o mais luxuoso cabaré da Europa, para não dizer do mundo.

No Lido, a embriaguez da sala é uma questão de proezas. Proezas humanas, mas também proezas de tecnologia. Quando o piso se afunda e transforma o pista de dança em palco de espetáculos, ele transporta um milhar de espectadores. E quando aparecem sucessivamente a pista de gelo, a piscina e as inacreditáveis telas de água, o Lido se inflama em seus recantos mais profundos. Toda a maquinaria e os técnicos com um know-how tão prodigioso quanto o talento de nossos artistas, fazem do Lido o mais sensacional lugar de espetáculos.

Os shows antigos